Estrada Fora

Votos do leitores
média de votos
Drama min 2021 21/07/2022

Título Original

Estreia na realização do iraniano Panah Panahi – filho de Jafar Panahi, com quem costuma trabalhar –, esta comédia dramática acompanha uma família numa viagem de carro por terrenos pouco convidativos. São os pais, os dois filhos e um cão que está doente, e as tensões dentro do carro vão sempre vindo ao de cima. Com Hassan Madjooni, Pantea Panahiha, Rayan Sarlak e Amin Simiar. PÚBLICO

Realizado por

Panah Panahi

Elenco

Amin Simiar, Rayan Sarlak, Hasan Majuni, Pantea Panahiha

Críticas Ípsilon

Não existem críticas dos nossos críticos.

Sessões

  • Porto

Críticas dos leitores

Estrada Fora

Maria Soares

A realidade de um mundo que muito poucos querem ver ...

Continuar a ler

4 estrelas

José Miguel Costa

Jafar Panahi (realizador dos magníficos filmes "O Circulo", "Três Rostos" e "Táxi") encontra-se detido (tal como os cineastas Mohammad Rasoulof e Mostafa Aleahmad), desde 11 de julho, acusado de propaganda contra o governo do Irão e a república islâmica.


Valha-nos que quando os sistemas ditatoriais tentam calar um artista logo outros surgem para continuar a "gritar" (dentro das suas limitações) contra os atentados à(s) liberdades). A prová-lo (bem como para reforçar a tese de que "filho de peixe sabe nadar"), por coincidência de timing, estreou em terras lusas a primeia longa-metragem escrita e dirigida por Panah Panahi (como o apelido indica, filho de Jafar Panahi), "Estrada Fora".

Uma subtil parábola politica, em modo road movie, com uma narrativa hilariante (um autêntico show de energia, pouco habitual nas cinematografias destas latitudes) e tocante, que vai habilmente oscilando entre o drama (implícito) e a comédia (simultaneamente, ácida e desbargada).

E o Panahi júnior não perde tempo com explicações, introduzindo-nos abruptamente a meio da viagem de carro de uma caótica "familia feliniana" (um pai carrancudo, uma mãe fofinha, uma criança endiabrada, um jovem adulto apático e uma cadela cancerosa) por uma estrada iraniana sem fim, rodeada de paisagens inóspitas (visualmente apelativas), em direcção a um destino/objectivo final que apenas irá sendo gradualmente revelado.

Realce-se a filmagem com recurso a (competentes) sequências longas de plano único, em quadros inúmeras vezes imóveis, deixando toda a dinâmica a cargo dos seus frenéticos personagens.

Continuar a ler

Envie-nos a sua crítica

Preencha todos os dados

Submissão feita com sucesso!